Atendendo às entidades, BB apresenta proposta detalhada da CASSI

Proposta do banco necessita melhorar

O Banco do Brasil apresentou nesta segunda-feira, 25/02, a proposta detalhada de custeio e governança para a Cassi. A proposta do BB havia sido apresentada em reunião anterior e as entidades solicitaram maior detalhamento para debate e avaliação.

Em novembro de 2018, as Entidades apresentaram a proposta construída no GT da Cassi, que não foi considerada pelo Banco.

Na maioria dos pontos, a proposta apresentada pelo BB – e que se encontra em discussão na Mesa de Negociação – traz números piores do que àquela rejeitada pelo Corpo Social na votação encerrada no início de outubro/2018.

A alegação do BB é de que haveria necessidade de incluir valores não arrecadados até o presente momento, considerado o atraso na solução da sustentabilidade da CASSI.

Destaque-se que nem a proposta rejeitada, nem a atual, foram construídas com a participação dos associados e ambas colocam em risco o equilíbrio de representação na Cassi.

CUSTEIO
A proposta do banco parte de um aumento de contribuição para todos os participantes, com implementação imediata da paridade contributiva recomendada pela Resolução CGPAR 23, que se encontra suspensa por força de liminar deferida pelo TRF1 em processo da ANABB.

O BB insiste na quebra do princípio da solidariedade, persistindo na proposta de cobrança por dependente, partindo de um VRD – Valor de Referência por Dependente de R$370,00, com valores que seriam pagos por quantidade de dependentes e por faixa salarial.

O que muda nesta proposta em relação à rejeitada, é que nesta o BB propõe repassar para a Cassi um VRD patronal de todos os dependentes dos funcionários ativos na ordem de 70%. Na proposta anterior rejeitada o BB propôs escalonado entre 80% e 70% e somente até o terceiro dependente.

GOVERNANÇA
O Banco apresentou alterações na proposta de governança na versão detalhada. O BB concordou com o modelo de estrutura apresentado da proposta das Entidades no GT da CASSI, acrescentando que a gerência do cálculo atuarial passaria para a Diretoria de Administração e Finanças. O Banco continua insistindo na proposta de alterar a representações das diretorias, a partir de 2020.

A estrutura proposta seria composta pela Presidência (indicado do BB), uma gerência especializada em Tecnologia, com vinculação à Presidência e as seguintes diretorias:

– Administração e Finanças: (passaria de indicado para um eleito)
– Rede de Atenção à Saúde: (continuaria eleito)
– Risco Populacional, Programas e Produtos de Saúde (passaria de eleito para indicado).

O BB apresentou ainda propostas de alteração no formato das eleições, com requisito de experiência mínima para ocupação de cargos na diretoria e conselhos e, ainda proposta para os casos de empate de decisão na diretoria e conselho deliberativo, além de pretender a alternância da presidência do Conselho Deliberativo entre eleitos e indicados, a cada 2 anos.

VEJA A PROPOSTA DETALHADA >>>> (http://www.sintrafgv.com.br/wp-content/uploads/2019/02/Proposta-CASSI-25-02-2019-Apresentada-pelo-BB-para-as-Entidades.pdf)

VEJA A PROPOSTA GT CASSI >>>> (http://www.sintrafgv.com.br/wp-content/uploads/2019/02/Proposta-GT-Cassi-CONTEC-2018.11.20-3-2.pdf)

No decorrer deste ano, houveram três rodadas de negociação ocorridas nos dias 31/01, 07/02, 19/02 e 25/02, em que foram feitos debates e apresentações de propostas também por parte das Entidades de Representação dos Associados da Ativa e Aposentados.

Na rodada desta segunda-feira (25), as entidades reunidas salientaram a importância dos debates por cada entidade, para melhoria do processo de negociação, assim como reforçar as críticas à proposta apresentada e destacar as necessidades de melhoria.

Nova rodada de negociação está agendada para esta quarta-feira (27/02). (Fonte: Contec)


Fotos:

SINTRAF-GV:

Facebook