Caixa pagou PLR nesta terça-feira

O lucro líquido da Caixa em 2017 foi de R$ 12,5 bilhões, o maior da história do banco público. O resultado, divulgado na terça-feira 27, representa crescimento de 202,6% em relação a 2016. O lucro recorrente (R$ 8,6 bilhões) também foi o maior já alcançado, com alta de 72,3%. Com a divulgação do balanço, o banco anunciou que a segunda parcela da PLR e a PLR Social, conquistas dos empregados ao lado do movimento sindical, foram creditadas nessa terça-feira 27.

A mudança de datas foi decidida na manhã desta terça-feira, pouco antes do anúncio oficial do resultado do banco em 2017.

Pelo Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), o banco tinha até o dia 31 de março para efetuar o pagamento.

A Caixa é o último dos cinco maiores bancos do país a distribuir os lucros. Essa não é a primeira vez que acontece. Ano passado, a situação se repetiu com o pagamento da primeira parcela.

Crédito em queda
Os números do balanço 2017 da Caixa confirmam a redução na oferta de crédito. A carteira de crédito do banco atingiu, aproximadamente, R$ 706,3 bilhões, com queda de 0,4% em doze meses. A Carteira Comercial Pessoa Física (PF) teve queda de 8,6% em relação a 2016, atingindo, aproximadamente, R$ 93,7 bilhões. Já a  Carteira Comercial Pessoa Jurídica (PJ), apresentou redução ainda maior (-23,1%), somando R$ 68,1 bilhões.

A carteira para habitação cresceu 6,3%, num total de R$ 431,7 bilhões. E a carteira de infraestrutura cresceu 5,2%, totalizando R$ 82,7 bilhões.

Receitas com tarifas cresce e número de empregados cai
As receitas de prestação de serviços e com tarifas bancárias cobradas dos clientes cresceram 11,5%, totalizando R$ 25 bilhões.  Somente com essa receita, a Caixa cobre em 104,9% toda as suas despesas com pessoal.

O banco encerrou o ano passado com 87.654 empregados e fechamento de 7.324 postos de trabalho em relação a dezembro de 2016. O saldo se deve à adesão de 7.023 empregados ao Programa de Desligamento Voluntário Extraordinário (PDVE). Além disso, foram fechadas 18 agências, 55 lotéricos e 1.737 correspondentes Caixa Aqui.

Saúde Caixa
De acordo com o balanço, o lucro recorrente foi impactado, principalmente, pela aprovação do limite de 6,5% da folha de pagamento da Caixa como teto para gastos com o Saúde Caixa. O teto gerou a reversão da provisão atuarial constituída, com efeito não recorrente de R$ 4 bilhões no lucro líquido.

Esse ataque ao direito à saúde dos empregados da Caixa, que piora muito com as resoluções da CGPAR, mostra que o banco se aproxima cada vez mais de uma lógica exclusivamente de mercado, em detrimento da sua função social e dos direitos de seus empregados. O modelo de custeio do Saúde Caixa, uma conquista de luta, existe desde 2004. É inadmissível a imposição de uma mudança pela Caixa. Não aceitaremos mais esse ataque. Os empregados devem estar preparados para um ano de muita luta por nenhum direito a menos e em defesa da Caixa 100% pública.

SINTRAF-GV:

Facebook