Contec assina hoje com a Fenaban a nova Convenção Coletiva de Trabalho

Foram realizadas 10 rodadas de negociações entre a Contec e a Fenaban,  até o fechamento do acordo

Será nesta sexta-feira (31), a partir das 14h, no Hotel Maksoud Plaza, em São Paulo, a assinatura da nova Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) entre a Contec (Confederação Nacional dos Bancários), federações e sindicatos, com a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos). Na ocasião, também serão assinados os Acordos Coletivos de Trabalho (ACTs) da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil.
A proposta dos bancos, apresentada após intensas negociações e pressão do movimento sindical e já aprovada em assembleias da categoria em todo País, prevê reajuste salarial de 5%, proporcionando aumento real de 1,18% sobre uma inflação do INPC projetada em 3,78%, e garantia de manutenção de todos os direitos previstos na CCT, válida para os empregados de bancos públicos e privados. Com a aprovação da assembleia, a primeira parcela da PLR será paga em 20 de setembro. A proposta prevê, ainda, acordo com validade de dois anos. Assim, ficam garantidas, até 2020, a manutenção de todos os direitos e a reposição total da inflação (INPC), mais 1% de aumento real para salários e demais verbas em 1º de setembro de 2019. As negociações com o Banco do Brasil e a Caixa Federal também garantiram a manutenção de todas as cláusulas dos acordos específicos, inclusive Saúde Caixa e PLR Social que estavam ameaçados. Serão os únicos empregados do setor público com aumento real e sem retirada de direitos.

A proposta da Fenaban assegura ainda que os bancários terão direito a parcelar em até três vezes o adiantamento de férias que atualmente é descontado integralmente no mês posterior ao descanso. A proposta também garante a manutenção dos direitos da CCT para os hipersuficientes. Esses trabalhadores, cerca de 91 mil na categoria que ganham mais de R$ 11.291,60, estariam expostos a negociar diretamente com os patrões e poderiam perder até a PLR, de acordo com a lei trabalhista após a reforma.


Fotos:

SINTRAF-GV:

Facebook